O número de empreendedoras no País é equivalente à quantidade de homens que estão à frente de empresas de pequeno ou médio portes. ‘Esse número era bem menor há alguns anos, como também era insignificante a presença feminina na construção civil e na área de transportes, fato que demonstra a transformação de uma realidade’, observa a consultora do Sebrae, Márcia Giubertoni Borro.

Quando elas decidem que terão seu próprio negócio podem encontrar auxílio no Conselho da Mulher Executiva, ligado à Associação Comercial do Paraná (ACP). ‘Nosso papel é informar como elas podem lucrar com pequenos investimentos’, explica a representante do Conselho, Marlene Wiedermann. “A grande meta do Conselho é incentivar e exigir a equidade de gêneros, já que nada justifica um tratamento diferenciado entre homens e mulheres que desempenham a mesma função”.