O Ministério Público do Trabalho apresentou ontem proposta para acabar com o impasse entre o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) e o Sindimetal-PR – sindicato patronal que representa cerca de 3 mil empresas da categoria metalmecânica. Desde o início da semana, os metalúrgicos (cerca de 30 mil) vêm se mobilizando na campanha salarial. A data-base da categoria é 1.º de dezembro.

?Vamos realizar uma reunião da (diretoria) executiva na segunda-feira de manhã para avaliar a proposta?, afirmou o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos, Nelson Silva de Souza. Segundo Souza, a proposta prevê aumento de 7% no piso salarial; 5% de reajuste salarial; 14% de abono salarial, pago em três vezes e 11% de Fundo de Qualificação. Souza avaliou os itens como um avanço. ?Não tinha sentido o patronal oferecer aumento diferente no piso salarial – de 5% para empresas com até 60 funcionários e de 7% nas empresas com mais de 60 funcionários. Só este item já representa um avanço para os trabalhadores?, afirmou. Ainda pela proposta do MP, o abono passou de 10% para 14%. O índice reivindicado pelos metalúrgicos era 15%.

Assembléias

Ontem o SMC realizou assembléias em dez indústrias de São José dos Pinhais, onde houve paralisações na quinta-feira. Foi aprovada uma pauta específica de reivindicações para cada empresa e dado prazo de 48 horas para a indústria abrir negociação. Caso isso não ocorra, os trabalhadores podem parar.

As pautas aprovadas ontem pelos metalúrgicos têm reivindicações genéricas e específicas. As genéricas contemplam 6% de aumento em janeiro de 2007, 15% de abono em dezembro e 10% de aumento do piso a partir de janeiro de 2007. A diferença das pautas fica por conta de benefícios específicos, discutidos em cada empresa, como plano de saúde, Participação nos Lucros ou Resultados (PLR), redução da jornada para 40 horas semanais, estabilidade de emprego de 30 dias após as férias e vale-mercado. As pautas foram aprovadas nas metalúrgicas Lufer, Latal, Trivisan, Lumicenter, Radiadores Marechal, Franzoi, Igasa, Magius, Metaltypo e Metalus.

Ontem o SMC chegou a divulgar nota afirmando que havia rompido as negociações com o sindicato patronal. Já o Sindimetal-PR, também em nota oficial, afirmou que as negociações ainda não estavam encerradas.