As exportações do Paraná para os países do Mercosul chegaram a US$ 359 milhões no primeiro semestre do ano, o que representou um aumento de 83% em relação ao mesmo período do ano passado. Com isso, o saldo da balança comercial do Estado com o bloco econômico, que era negativo nos primeiros seis meses de 2003, agora é de US$ 161 milhões.

Para o governador Roberto Requião, grande parte desse crescimento – apontado pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) – se deve à prioridade que estabeleceu com os países vizinhos para o fomento do intercâmbio comercial do Estado. “O Paraná é o único Estado que tem uma política pública de integração com Mercosul e é por isso, também, que já somos o segundo Estado que mais exporta no País”, destaca.

O governador lembra que a política que definiu tem bases planejadas. Afirma que desde o início de atual administração e anteriormente, como senador, estabeleceu diretrizes firmes para o Paraná ampliar suas parcerias com o Mercosul. No atual governo, acrescenta, criou o Programa de Desenvolvimento da Produção, executado por sete secretarias de Estado.

Missões

Uma das diretrizes do programa são as missões comerciais. Em 18 meses de administração, o governo do Paraná já realizou viagens de negócios com empresários na Argentina, Chile e Paraguai. Também promoveu missões na Espanha, França, Bélgica, Canadá e Estados Unidos. No âmbito do Mercosul, ainda pretende organizar rodadas de negócios no Uruguai. Também está em estudos uma missão à China.

“Não temos dúvidas de que essas missões têm garantido uma efetiva inserção de mais produtos paranaenses no mercado externo”, avalia Requião. “Dentro do Mercosul, ampliamos a base de exportações do Paraná com destaque para a participação das pequenas empresas. No Chile, por exemplo, diversas confecções do Paraná, que nunca havia entrado naquele mercado, hoje já comercializam seus produtos no país.”

Resultados

A força da missões comerciais do Paraná no Mercosul pode ser dimensionada em números. Segundo a Secretaria da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, as vendas paranaenses para a Argentina por exemplo – onde Requião liderou um encontro de negócios com mais de 300 empresários daquele país -chegaram a US$ 265 milhões no primeiro semestre de 2004 ou 96% a mais do que no mesmo período do ano passado.

Com o Paraguai, as exportações paranaenses chegaram a US$ 66 milhões, o que representou um crescimento de 36%. Na parceria com o Chile, as vendas do Estado totalizaram no semestre US$ 64 milhões, 61% a mais que nos seis primeiros meses de 2003. Já com o Uruguai, o resultado foi de US$ 28 milhões, o que garantiu um crescimento de 126%.

No conjunto das exportações do Estado nos seis primeiros meses do ano ao mercado global, o Paraná subiu de quarto lugar no ranking nacional para o segundo mais competitivo. Superando Minas Gerais e o Rio Grande do Sul e atrás apenas de São Paulo, o Paraná fechou o semestre com exportações totais de US$ 4,728 bilhões, ou 41% a mais do que em igual período de 2003.