Aumentar as relações comerciais com o Chile e abrir as portas desse mercado para 26 pequenos e médios empresários paranaenses e quatro instituições. Esses são os objetivos do encontro promovido na capital Santiago, desde ontem, pelo governo do Paraná com autoridades e empresas chilenas. Até amanhã, serão mais de 150 reuniões para este fim e o número pode aumentar até o final da missão. O governador Roberto Requião e quatro secretários de Estado fazem parte da comitiva.

A intenção do governo é gerar desenvolvimento no Paraná por meio de negócios para exportação. “O governo quer criar oportunidade para que eles saiam da casca. Estamos criando os cenários e deixamos o resto por conta dos empresários”, explica Requião. “E ainda fazemos um convite para eles irem até o Paraná. Não viemos para vender. Viemos ao Chile para trocar”, comenta.

O Paraná é o primeiro Estado do Brasil a possuir uma política pública de incentivo às exportações direto ao alvo, sem utilizar intermédios do governo federal. Já foram realizadas três missões para a Argentina como esta que está ocorrendo no Chile. Até agosto deste ano, serão mais três visitas na Bolívia, Paraguai e Uruguai. A iniciativa paranaense já está despertando interesse em empresas de outros estados brasileiros.

Para Santiago Gallo, coordenador de Assuntos do Mercosul da Secretaria de Estado da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, organizadora do encontro, o apoio do governo dá respaldo nas negociações entre empresários chilenos e brasileiros. Ele afirma que, com essa tática de aproximação, os contatos surgem mais facilmente. “O Produto Interno Bruto (PIB) do Chile cresceu 4,5% no primeiro quadrimestre de 2004. Uma vez que fez o pé no Chile, se dá certo no Chile, pois o País é considerado um mercado de testes para a América Latina”, conta. Além disso, o governo pretende intergrar as cadeias produtivas dos dois países. “Em vez de comeptir, os empresários de um mesmo segmento precisam se unir e exportar para terceiros”, indica Gallo.

Encontro

Os trabalhos começam efetivamente, hoje, com um café da manhã de boas vindas aos futuros parceiros chilenos, um seminário sobre as potencialidades do Estado do Paraná e o início das negociações. Amanhã, acontecerá a visita ao Porto de Valparaíso, a seqüência das negociações e visitas em empresas locais.

Exportações do Paraná

Em 2003, o Paraná exportou ao Chile 839 produtos de 251 empresas, gerando um volume de US$ 109,516 milhões. No ano anterior, o Estado exportou US$ 78 milhões.

Os principais produtos exportados são: automóveis, tratores/reboques, chassis, papel, carne bovina, café não torrado, cerâmica, margarina, queijo mussarela e móveis de madeira.

Até abril desse ano, o Paraná já exportou mais de US$ 40 milhões para o Chile. Em 2003, o valor no mesmo período foi de US$ 18,639 milhões.

O Chile é o 19.º parceiro comercial do Paraná (âmbito geral). Em relação à América Latina, o país ocupa a quarta colocação, atrás de Argentina, Paraguai e Venezuela.

A estimativa do governo é aumentar a exportação de 2004 em 20% em relação ao ano passado.