O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, afirmou hoje à Agência Estado que a oferta de crédito rural não sofrerá impactos das medidas de redução, até 2014, da exigibilidade destinada ao setor, de 30% para 25% sobre os depósitos à vista, anunciadas hoje pelo Banco Central (BC). Segundo o ministro, apesar da redução para 29% em julho, primeiro mês da safra 2010/11, os recursos, de R$ 100 bilhões para a agricultura empresarial, também estão garantidos.

Rossi lembrou que na safra 2009/2010, que termina este mês, não foram tomados entre R$ 9 bilhões e R$ 10 bilhões dos R$ 92,5 bilhões oferecidos em crédito agrícola, e que os recursos para o crédito rural vêm ainda de outras fontes. “No momento estamos com disponibilidade de crédito adequada e neste último ano agrícola sobrou um pouco; além disso, o crédito oferecido para a agricultura é um mix que vem dos recursos compulsórios, de recursos do Tesouro e de fontes de crédito estatal”, explicou o ministro.

“As autoridades do BC ponderaram esses pontos em um cenário de abundância de crédito; mas é claro, não podemos pensar em dificultar crédito para a agricultura”, disse Rossi. Ainda de acordo com o ministro, o BC vai acompanhar a situação do crédito rural e se houver algum problema na redução do compulsório “serão feitos outros ajustes”.