Os metalúrgicos da Volvo, em Curitiba, decidiram entrar em greve por tempo indeterminado na manhã desta terça-feira (15). Os 2,5 mil trabalhadores se unem aos funcionários da Renault e da Volkswagen, de São José dos Pinhais, na região metropolitana, que estão parados há duas semanas. Ao todo, cerca de 12 mil metalúrgicos estão parados.

A decisão aconteceu em assembléia que, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), contou com a aprovação da maioria dos funcionários.

Os trabalhadores pedem aumento real de 5% e abono de R$ 2 mil em setembro, garantia de estabilidade no emprego até o dia 31 de dezembro, reajuste no piso salarial para R$ 1,5 mil e no vale-mercado para R$ 120 – atualmente o valor é de R$ 60. Entretanto, a Volvo propôs aumento salarial de 6,53% – com aumento real de 2% e abono de R$ 2 mil para outubro e estabilidade até o começo de dezembro.

“A proposta apresentada pela Volvo está longe do que reivindicamos. Amanhã ainda temos a possibilidade de uma última proposta, mas, caso não haja acordo, vamos parar por tempo indeterminado. Mesmo assim, estamos à disposição para negociações, só depende da empresa”, diz Nelson Silva de Souza, diretor do SMC.

A Volvo deve divulgar, ainda hoje, o posicionamento da empresa em relação à greve.