O relator do projeto de Lei de diretrizes Orçamentárias (LDO), senador João Ablerto (PMDB-MA), reafirmou à Agência Estado, há pouco, que não vai incluir no seu relatório o aumento, anunciado pela equipe econômica do governo, da meta do superávit primário de 3,50% para 3,75% do PIB. O relatório deverá ser votado na próxima quarta-feira. Segundo Alberto, não há razões técnicas para fazer a modificação no relatório e incluir a proposta. ?Respeito a decisão do governo, mas vou manter a meta anterior (3,50%), porque não tenho instrumentos nem vejo razões para fazer alterações?, justificou o relator.

Na avaliação dele, as medidas anunciadas na semana passada pela equipe econômica, entre elas o aumento da meta do superávit, têm um caráter ?mais psicológico do que técnico?. João Alberto afirmou que o objetivo do governo ao tomar essas medidas foi o de tranqüilizar o mercado.  O deputado Geovani Queiroz (PDT-PA) afirmou nesta tarde que vai tentar obstruir, na próxima quarta-feira, a votação do projeto da LDO. Queiroz disse que está seguindo a orientação do líder do seu partido, deputado Miro Teixeira (RJ), para pressionar para que seja votado o projeto que trata do Plano de Cargos e Salários dos Servidores, que está na pauta para ser votado no plenário da Câmara. ?Se a gente não forçar, o projeto do Plano de Cargos não vai ser votado nunca. Nós, da oposição, estamos do lado dos servidores e precisamos garantir essa votação?, afirmou Queiroz.