O vice-presidente da República, José Alencar, tentou minimizar ontem as críticas feitas pelo presidente do seu partido, Valdemar Costa Neto (PL-SP), ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, atribuindo-lhe responsabilidade pelos problemas da economia ao mercado. Costa Neto chamou Meirelles de “sabotador” da economia do País, após entregar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva um documento do partido, assinado inclusive por Alencar, elevando o tom das críticas à política econômica do governo.

“A sabotagem de que o Brasil tem sido vítima é sabotagem de uma coisa que se convencionou chamar de mercado”, disse Alencar ao destacar que o documento do PL não tem “nenhuma palavra que possa ofender o ilustre presidente do Banco Central nem a quem quer que seja”.

No documento, o PL afirmou que o País atravessa a maior crise social de sua história e sugeriu mudanças imediatas na economia, como o controle de capitais, o aumento dos gastos estatais e a redução do superávit primário e da taxa básica de juros.

“Não é nada a ver com o ministro da Fazenda. Isso nós temos que compreender. Porque do contrário, fica parecendo que nós, que estamos aí lutando em defesa do Brasil, sejamos algozes. Nós somos responsáveis, nós temos que lutar para que o País vá em frente”, disse.

O vice-presidente alertou, no entanto, que o governo não deve ser apenas “um bom administrador de dívidas”, como são muitos no Brasil. “Queremos ser rompedores com essa dívida. Como? Pagando a dívida. É isso o que desejamos”, completou.

Alencar destacou ainda que o documento encaminhado pelo seu partido ao presidente Lula é uma síntese do fórum realizado pelo PL há cerca de dez dias, considerando, não só o seu discurso de abertura do evento, mas o de outros participantes do evento.