O Produto Interno Bruto – a soma de bens e serviços produzidos no país – em 2009 “não será negativo, mas será muito fraco”, na opinião do ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Ele não quis comentar a possível prorrogação da isenção do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para o setor automobilístico. O prazo de vigência da medida termina neste mês.

“Eu não posso comentar nada. Qualquer coisa que eu diga pode influenciar o mercado. Nós trabalhamos com o fato de que a isenção termina no dia 30. Depois o governo vai pensar no que vai fazer,” disse.

Sobre a arrecadação de impostos e contribuições federais de maior, que somou R$ 49,8 bilhões em maio deste ano, com queda de 6% na comparação com o mesmo mês do ano passado, Mantega disse que a equipe econômica deve rever a previsão de superávit primário para baixo.

“Se for necessário para equilibrar as contas, nós vamos reduzir despesas e também tomar algumas medidas que ainda estão sendo amadurecidas pelo governo para estimular o aumento dos investimentos no país”.

Mantega participou hoje (18) da cerimônia de entrega do prêmio Destaque Agência Estado Empresas.