O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira (1º), em audiência sobre a emenda de prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que não vê possibilidades de a CPMF ser extinta em quatro anos. A afirmação foi feita em resposta a questionamento do senador Valter Pereira (PMDB-MS).

"Não vejo possibilidade de extinção desse tributo em quatro anos. O que podemos é vislumbrar desoneração ao longo dos anos", disse o ministro, destacando os estudos do governo para diminuir o peso da CPMF para as pessoas físicas que ganham acima de R$ 1.640,00. Mantega reconheceu que a carga tributária é elevada, mas afirmou que a questão é sobre como devem ser feitas as desonerações. Ele destacou que a simples eliminação da CPMF teria conseqüências muito sérias e afetaria os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o equilíbrio fiscal.