O ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu hoje que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) poderá fazer outros reajustes na taxa de juros de suas linhas de financiamento, de acordo com “sua sensibilidade”. “Tenho que discutir com o BNDES”, disse Mantega. “Algumas linhas poderão ser alteradas pelo BNDES, porque ele tem autonomia”, acrescentou.

O ministro ressaltou, no entanto, que a elevação de um ponto porcentual na taxa de juros do Programa de Sustentação de Investimento (PSI), já estava prevista para ocorrer a partir do segundo semestre. Questionado se o governo poderá promover um aumento maior que o previsto (de 4,5% para 5,5%), Mantega disse que não. Mas em seguida destacou: “é claro que o BNDES faz os ajustes dele; em princípio, está previsto um aumento de um ponto porcentual para todas as linhas (do PSI)”.

O ministro afirmou ainda que o que o governo planejava já foi anunciado, mas ponderou que o BNDES tem que fazer as contas. “Aí, (o banco) poderá fazer alguma alteração nas linhas e na taxa de juros. Ele tem autonomia para fazer as alterações”, insistiu Mantega. Questionado se era favorável a essas alterações, o ministro foi sintético: “tenho que discutir com o presidente do BNDES”.

Mantega afirmou que não é favorável a um aumento da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), atualmente de 6% ao ano. Essa taxa prevalece até o fim deste mês. O eventual aumento será discutido na próxima reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), na última semana de junho.