O ministro da Fazenda, Guido Mantega, acenou com novas desonerações tributárias e disse que a prioridade das desonerações continuará sendo para os investimentos. Durante seminário promovido pela Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base (Abdib), ele disse que se os empresários tiverem outras propostas de desoneração de investimentos, que as apresentem.

Mantega se definiu como um economista tradicional, que acha que o crescimento econômico tem que ser puxado pelo investimento. Por isso, a sua preferência pela desoneração dos investimentos. "Eu me disponho a continuar fazendo desonerações", afirmou Mantega, acrescentando que está "de olho" na desoneração na folha de pagamento (contribuição previdenciária patronal).

No seminário, o presidente da Abdib, Paulo Godoy, disse que a desoneração do PIS e Cofins para investimentos em infra-estrutura ficou muito restrita, porque é apenas para projetos novos, cujos efeitos se darão mais a frente. Por isso disse acreditar que a renúncia fiscal prevista pelo governo para essa modalidade não vai ocorrer. Mas, na opinião do ministro Guido Mantega, a desoneração tem que ser feita de maneira gradual para não prejudicar o equilíbrio fiscal. "Se começarmos a desonerar tudo, vai embora o equilíbrio fiscal", afirmou.