Gerson Klaina
Paulo abastece carro com álcool há um mês.

 

O preço do litro de etanol está há algumas semanas abaixo de 70% do valor da gasolina em vários postos da cidade, porém, a maioria dos motoristas tem ignorado isso. Segundo gerentes de postos pesquisados pelo Paraná Online, de cada 10 clientes atendidos, oito abastecem com gasolina e dois com etanol, mesmo com a relação entre os dois combustíveis em 67%, ou seja, tornando o derivado de cana-de-açúcar mais vantajoso.

Para o médico Mitsuro Myaki, a diferença de preço tem que ficar mais acentuada para voltar a abastecer com etanol. “Tem mais de um ano que só abasteço com gasolina. Para preferir o etanol no inverno, a diferença de preço precisa ficar maior”, defende. O agente de inspeção sanitária Paulo Júnior Coelho faz parte da minoria que foi cativada pelo recuo no preço do etanol. “Faz um mês que voltei a abastecer com álcool e estou conseguindo fazer oito quilômetros por litro”, atesta.

O gerente do Posto Cabral, Sidney Alves Cordeiro, comenta que de modo geral o consumidor avalia que ainda não vale a pena. Ontem o posto estampava R$ 1,679 por litro de etanol e R$ 2,479 para gasolina. O gerente do posto Petro Iguaçu, Felipe Reis, também verifica o domínio da gasolina nas vendas. “Faz uns 15 dias que o etanol está custando R$1,697 contra R$ 2,497 do litro da gasolina e o consumidor ainda não se rendeu”.

Safra

Para o superintendente da Associação dos Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), José Adriano da Silva Dias, apesar de toda a pressão sobre os custos do produtor na usina, a tendência é que o combustível fiquei “altamente competitivo” nas próximas semanas. “Estamos em plena safra. E depois dessas chuvas que impedem a colheita, a tendência é que aumente a oferta e os preços fiquem ainda mais pressionados, refletindo-se na bomba e na preferência do consumidor já que o bolso é o principal fator de escolha entre os combustíveis”, prevê.