O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que a expectativa do governo é de um crescimento da economia acima de 4,5% em 2010. “A nossa expectativa em 2010 é de um crescimento bom, acima de 4,5%”. E completou: “5% é muito bom”. No encerramento do simpósio internacional “Políticas Sociais para o Desenvolvimento: Superar a Pobreza e Promover a Inclusão”, promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Social, em Brasília, o presidente ressaltou que se o Brasil tiver um crescimento estável na faixa dos 4,5%, 5% ou 6,5%, o País dará um salto de qualidade ao longo do tempo. “Até nós, que moramos no Brasil, vamos estranhar”, disse.

Lula fez poucos comentários sobre a crise econômica justificando que “é como nota de um real: todo mundo conhece”. Lamentou apenas que, por causa da crise, o governo foi obrigado a “frear” algumas ações, como as que poderiam ampliar a oferta de empregos. Mostrou, porém, sua expectativa de que os investimentos serão retomados.

Em seu discurso de uma hora e dez minutos, Lula afirmou, em tom de brincadeira, que seu sonho era ser economista. “Eu adoraria ser economista porque a coisa mais fantástica é ser economista de oposição”. Lembrou que antes de chegar à Presidência reunia-se com economistas amigos e eles só tinham previsões que o Brasil iria acabar. “Se tivesse acreditado nas teorias, não disputaria a Presidência. Por que vou pegar uma ‘pepinosa’ dessas se o Brasil vai acabar?”, afirmou. Lula ressaltou a importância do crédito consignado na política de seu governo. Segundo ele, o empréstimo consignado chegou a um volume de R$ 90 bilhões. “Quando eu deixar a Presidência, vou entrar no consignado para começar a minha vida.”