O lote D do primeiro leilão de transmissão de 2013 não teve propostas. A Receita Anual Permitida (RAP) era de R$ 2,52 milhões estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O lote D é composto por uma linha de transmissão de 69 quilômetros de extensão no Estado de Goiás. A obra tem prazo de conclusão de 22 meses. Conforme a Aneel, o empreendimento tem como objetivo atender crescimento de carga da região.

Quatro proponentes haviam se inscrito para disputar o lote: Abengoa, Alupar, Taesa e Consórcio Vale do São Patrício, formado pelo Fundo de Investimento em Participações Caixa Milão (51%) e Furnas (24,5%).

O lote E também não recebeu propostas. A RAP estabelecida pela Aneel era de R$ 54,66 milhões. O lote E é composto por uma linha de transmissão de 399 quilômetros de extensão entre o Estado de São Paulo e do Paraná.

Segundo a Aneel, o empreendimento tem como objetivo permitir o aumento de intercâmbio entre as Sudeste e Sul. Cinco proponentes se inscreveram para disputar o lote: Copel, Abengoa, Alupar, Cobra, e Consórcio Carioca.