Depois do rebaixamento do rating brasileiro pela S&P, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reafirmou, em nota, o compromisso do governo brasileiro com a consolidação fiscal. A nota foi distribuída pelo Palácio do Planalto. Levy está em São Paulo.

De acordo com o ministro, o processo para garantir a meta de superávit primário de 0,7% no ano que vem será completado nas próximas semanas, com o envio de propostas na área de gastos e receitas discutidas com o Congresso Nacional, além de ações de caráter estrutural nos próximos meses.

“O governo entende que o esforço fiscal é essencial para equilibrar a economia em um ambiente global de incerteza e, juntamente com iniciativas microeconômicas, aumentar a produtividade do país e criar as condições para a retomada do crescimento na esteira do fim do boom das commodities”, afirmou o ministro.

Levy destacou as medidas macroeconômicas tomadas desde o começo do ano, como a redução de subsídios, o corte de R$ 78 bilhões de despesas discricionárias e votação de medidas do ajuste fiscal.

“Esse esforço complementa as medidas macroeconômicas tomadas desde o começo do ano que já tem se refletido no processo de reequilíbrio das contas externas e na queda das expectativas de inflação para 2016 e 2017 entre outros indicadores”, completa.