São Paulo (AG) – O secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, disse ontem que o governo não deve aumentar a meta de superávit fiscal como vêm sugerindo analistas de algumas agências de risco, depois que o País decidiu não renovar o acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). ?A política fiscal não vive de sobressaltos e nós não temos nada contra mexer em metas de superávit, tanto que no ano passado até aumentamos a meta porque consideramos que era adequado. Mas no momento atual, temos conforto em relação à meta de superávit que estamos perseguindo?, disse Levy.

O secretário do Tesouro participou de café da manhã que marcou o lançamento do Índice de Mercado Andima (IMA), um novo referencial de rentabilidade para a indústria de fundos criado pela Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro.

Levy também fez um apelo para que os empresários aproveitem o atual cenário favorável da economia no País para investir no aumento de produção, em vez de aumentar preços.

?O grande desafio, agora que temos condições de tranqüilidade, é que a atitude das empresas e das pessoas não seja de administrar a demanda, mas de aumentar a oferta. Deve-se olhar para o futuro com a disposição de investir e não de aumentar preços. Essa diferença de atitude é a base do crescimento econômico sustentado?, afirmou.