O dólar abriu em alta moderada no início da tarde desta quarta-feira, 26, a R$ 4,410 (+0,39%) no mercado à vista, e renovou máxima em R$ 4,4245 (+0,72%) na sequência. O dólar março subiu até máxima de R$ 4,4250 (+0,76%), após iniciar a sessão em R$ 4,4155 (+0,55%).

Um operador de câmbio disse que o ajuste é relativamente ameno, após o estresse nos mercados internacionais na segunda-feira e na terça, porque o BC antecipou-se anunciando leilão de US$ 500 milhões em swap novo nesta quarta, das 13h30 às 13h40, e outra operação extra com swap de US$ 1 bilhão na quinta, além de leilão de rolagem de linha de US$ 3 bilhões na sexta-feira.

O operador Guilherme França Esquelbek, da Correparti, ressalta que a alta do dólar ante o real está mais intensa do que a correção ante o peso mexicano (+0,33%) e destoa da queda do dólar ante o peso chileno – moedas que sempre andam juntas – porque o mercado local repercute negativamente o vídeo do presidente da República, Jair Bolsonaro, convocando manifestação contra o Congresso para 15 de março, o que poderá atrasar as reformas.