As taxas de juros negociadas no mercado futuro iniciaram esta terça-feira, 17, com alta em toda a curva, mostrando que pesam nos negócios os trechos da ata da reunião do Copom considerados mais “hawkish”. Entre esses trechos estão os que mostram alguma surpresa com a inflação e a perspectiva de maior potência no aquecimento da atividade econômica.

No documento divulgado na manhã desta terça, o Banco Central alterou sua projeção para a alta dos preços administrados em 2019, de 5,2% para 5,1% no cenário de mercado. No caso de 2020, o porcentual foi de 4,0% para 3,6%, e para 2021, passou de 3,8% para 3,5%.

Às 9h43 desta terça, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2021 tinha taxa de 4,60%, ante 4,55% do ajuste de segunda-feira, 16. A taxa do DI para janeiro de 2023 estava em 5,90%, de 5,82%. Na ponta longa, o DI para janeiro de 2025 projetava 6,52%, ante 6,46%.