Os juros cobrados pelos bancos no cheque especial e no empréstimo pessoal subiram ligeiramente em julho na comparação com junho. De acordo com pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP no dia 2, a taxa média mensal do cheque especial passou de 7,93% para 7,95%, enquanto a taxa média do empréstimo pessoal foi de 5,22% para 5,23%. O levantamento envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

Segundo o Procon-SP, as altas verificadas nas taxas de cheque especial ocorreram no Banco do Brasil, que alterou a taxa para essa modalidade de 5,70% para 5,80% ao mês, e no Bradesco, de 8,78% para 8,82% ao mês. As demais instituições financeiras mantiveram as taxas de cheque especial. A única alta verificada na taxa de empréstimo pessoal foi no Banco do Brasil, de 4,27% para 4,32% ao mês.

As menores taxas de empréstimo pessoal e de cheque especial foram verificadas na Caixa Econômica Federal, 3,51% e 4,27% por mês, respectivamente. Já a taxa mais alta de empréstimo pessoal foi encontrada no Bradesco (6,19%) e a maior taxa na modalidade de cheque especial foi verificada no Santander (9,95%).

Conforme o Procon-SP, os dados usados no levantamento se referem a taxas máximas prefixadas para clientes (pessoa física) não preferenciais, independente do canal de contratação. Para o cheque especial foi considerado o período de 30 dias. Já para o empréstimo pessoal, o prazo de contrato é de 12 meses.