O governo da Itália aprovou nesta quinta-feira um plano de privatização de até 12 bilhões de euros (US$ 16,13 bilhões) em ativos numa tentativa de superar objeções de Bruxelas a que o país tenha o direito de fazer investimentos públicos adicionais em 2014.

Pelo plano, o Tesouro italiano vai vender uma fatia de 3% na petrolífera Eni e participações maiores em empresas de capital fechado, incluindo o estaleiro Fincantieri, anunciou o primeiro-ministro Enrico Letta após uma reunião de gabinete.

A fatia da Eni, que sozinha deve garantir 2 bilhões de euros aos cofres públicos, será oferecida dentro de uma complexa operação de recompra que vai manter a parcela de controle do governo na empresa em cerca de 30%, explicou Letta. Também serão oferecidas ações no banco SACE e na holding company CDP Reti.

Os recursos das privatizações vão ser usados para reduzir a relação dívida/PIB da Itália em 2014, um problema que tem levado a Comissão Europeia a proibir que o país use a chamada “cláusula de investimento”, que permite aos governos calcular alguns investimentos produtivos fora dos parâmetros orçamentários anuais. Com isso, Roma pode contar com pelo menos 3 bilhões de euros em fundos a mais no próximo ano. Fonte: Dow Jones Newswires.