O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) subiu 0,57% no fechamento de janeiro, após alta de 0,58% na leitura anterior e expansão de 0,29% no resultado de dezembro, revelou nesta sexta-feira, dia 1º, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O dado ficou abaixo do intervalo das expectativas coletadas em pesquisa do Projeções Broadcast, que iam de 0,60% a 0,69%, com mediana de 0,63%. Em 12 meses, o indicador acumulou alta de 4,19%.

No período de um mês, cinco das oito classes de despesa que compõem o índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. O grupo Educação, Leitura e Recreação ofereceu a principal contribuição ao movimento, com a taxa acelerando de 2,28% para 3,13%, sustentada principalmente pelo item “cursos formais” (de 4,23% para 5,79%).

Ainda houve aceleração nos grupos Habitação (de 0,42% para 0,43%), Transportes (de -0,05% para 0,02%), Comunicação (de 0,14% para 0,20%) e Despesas Diversas (de 0,27% para 0,30%). Nessas classes de despesa, vale destacar o comportamento dos seguintes itens: tarifa de eletricidade residencial (de -0,25% para 0,47%), tarifa de ônibus urbano (de 1,41% para 2,86%), pacotes de telefonia fixa e internet (de 0,68% para 0,91%) e cartório (de 1,89% para 3,33%).

Na contramão, houve decréscimo nas taxas dos grupos Alimentação (de 0,94% para 0,73%), Vestuário (de 0,03% para -0,64%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,41% para 0,27%), com destaque para os itens hortaliças e legumes (de 4,51% para -0,17%), roupas (0,08% para -0,83%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (0,62% para -0,26%).