O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação da cidade de São Paulo, registrou uma alta de 0,55% na segunda quadrissemana de novembro. O número não mostrou alteração em relação a primeira leitura do mês. Na segunda medição de outubro, o índice havia marcado alta de 0,37%.

O resultado apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) ficou no piso do intervalo das previsões de 17 instituições pesquisadas pelo AE Projeções, que apontavam que o índice poderia ficar entre 0,55% a 0,61%, com mediana de 0,59%.

Na comparação entre a primeira e a segunda leitura do mês, a alta dos preços se acelerou apenas nas categorias Habitação e Vestuário. Na primeira, o índice passou de 0,18% para 0,23%, e na segunda de 0,24% para 0,53%.

Em compensação, os preços perderam força em Alimentação, Despesas Pessoais, Saúde e Educação.

Na categoria Alimentação a inflação foi de 1,47% na segunda leitura de novembro, de 1,48% na primeira medição, assim como em Despesas Pessoais desacelerou para 0,71%, de 0,87%. Em Saúde a segunda quadrissemana de novembro registrou inflação de 0,44%, de 0,51% na primeira quadrissemana, e em Educação a alta nos preços foi de 0,12%, de 0,13% na primeira leitura do mês.

Em Transporte os preços caíram 0,03% na segunda medição de novembro, ante estabilidade na leitura inicial do mês. Veja como ficaram os itens que compõem o IPC na segunda leitura do mês de novembro:

Habitação: 0,23%

Alimentação: 1,47%

Transportes: -0,03%

Despesas Pessoais: 0,71%

Saúde: 0,44%

Vestuário: 0,53%

Educação: 0,12%

Índice Geral: 0,55%