O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) pesquisado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) em Curitiba foi de 1,72% em janeiro, acima dos -0,05% de dezembro do ano passado. O levantamento, que reflete o consumo das famílias que recebem de 1 a 40 salários mínimos, indica um acumulado de 6,29% nos últimos 12 meses (de fevereiro de 2003 a janeiro de 2004).

Com variação de 4,68%, o grupo Despesas Pessoais foi o de maior influência no IPC de janeiro, tendo sido a maior alta deste grupo desde o início da pesquisa, em janeiro de 1999. Esse resultado deveu-se principalmente às majorações dos preços de excursões não escolares (35,21%), dos ingressos para jogos de futebol (84,81%), cigarros (7,82%), discos laser CDs (6,32%) e dos itens de educação, como curso fundamental 1.ª a 8.ª séries (9,03%), curso superior (10,09%), cursos de idiomas e informática (8,75%), curso médio 2.º grau (9,34%) e cursos pré-escolares (6,80%). Destaca-se, ainda, a queda de 36,21% nos preços dos ingressos para teatro.

Variações

O segundo grupo que mais influenciou no IPC de janeiro foi o de Transporte e Comunicação, com alta de 2,22%. Com aumento de preços, os principais responsáveis por este resultado foram: automóvel de passeio nacional zero km (4,86%), item com maior contribuição dentre todos os pesquisados, automóvel de passeio e utilitário usados (1,99%), gasolina (3,58%), álcool combustível (6,96%) e automóvel de passeio importado zero km (4,28%). Com queda de preços, os itens de maior influência foram acessórios para veículos (8,28%) e seguro voluntário de veículo (3,95%).

O grupo Alimentos e Bebidas apresentou alta de 1,53%, sendo que os produtos que mais contribuíram para essa variação foram: pão francês (2,78%), almoço e jantar – refeições fora do domicílio (0,87%), uva (-22,93%) e leite pasteurizado (-1,17%).

Quanto ao grupo Habitação, a variação foi de 1%, tendo como principal influência a alta da tarifa de energia elétrica residencial (7,51%). Com queda, destacou-se a taxa de condomínio (1,70%). Os preços do grupo Artigos de Residência tiveram alta de apenas 0,10%, mantendo-se praticamente estáveis em relação ao mês anterior. O grupo Saúde e Cuidados Pessoais teve variação de 0,63%, decorrente principalmente da alta dos medicamentos (1,5%) e da queda das mensalidades dos planos de saúde (4,05%), item com a maior contribuição negativa no IPC de janeiro.

Quedas

Finalmente, o único grupo pesquisado que apresentou queda de preços, foi o de Vestuário, com variação negativa de 1,3%. As principais contribuições vieram dos seguintes artigos: blusa feminina (-4,23%), vestido para adulto (-9,76%), calça comprida feminina (-3,18%), calça comprida infantil (-6,58%) e blusa e camiseta infantis (-4,61%).