Os investimentos estrangeiros em ações brasileiras registraram um saldo positivo de US$ 852 milhões em março, segundo dados divulgados hoje pelo Banco Central. O número é inferior ao registrado em igual mês do ano passado, quando houve um ingresso líquido externo de US$ 1,284 bilhão. Além disso, no acumulado do primeiro trimestre deste ano, o investimento estrangeiro em ações acumula saída líquida de US$ 33 milhões.

De acordo com o BC, boa parte dos novos investimentos externos em ações no mês passado ocorreu em papéis listados no mercado doméstico. As ações negociadas no País registraram saldo positivo de US$ 844 milhões de recursos estrangeiros. De acordo com o chefe do Departamento Econômico (Depec) do BC, Altamir Lopes, o investimento estrangeiro em ações no Brasil apresentou em no mês passado o primeiro resultado positivo desde maio de 2008. Já os papéis negociados na forma de recibos de depósito (DRs) terminaram março com saldo positivo de US$ 8 milhões.

Em março, o investimento estrangeiro em título de renda fixa seguiu trajetória contrária, com saída líquida de US$ 370 milhões. Em igual período do ano passado, o resultado havia sido positivo em US$ 4,065 bilhões. Segundo o BC, o saldo negativo nesse tipo de investimento foi determinado pela saída líquida equivalente a US$ 1,079 bilhão registrada nos títulos negociados no exterior. Papéis transacionados no mercado brasileiro terminaram o mês passado com saldo positivo de US$ 708 milhões, o primeiro positivo desde dezembro de 2008.

“É possível começar a observar o ingresso (de dólares) para outros tipos de ativos”, disse Altamir, ao comentar a atração de recursos para operações financeiras, como a bolsa de valores ou papéis da dívida, o que, segundo ele, compensaria uma eventual queda do ingresso de IED.

No acumulado do ano de 2009, o investimento estrangeiro em títulos de renda fixa registra saída líquida de US$ 3,498 bilhões e, em igual período de 2008, o saldo era positivo em US$ 8,263 bilhões.

Dívida externa

A dívida externa brasileira caiu em março para US$ 192,627 bilhões, de acordo com dados estimados pelo BC. Em fevereiro, o BC estimava a dívida em US$ 195,838 bilhões. No último dado fechado, relativo ao mês de dezembro do ano passado, a dívida externa estava em US$ 198,362 bilhões.

Conta turismo

O chefe do Depec do BC informou também que o déficit na conta de viagens internacionais em abril até hoje soma US$ 206 milhões. Em março, essa conta registrou saldo negativo de US$ 124 milhões, o que representa que houve um número maior de gastos de brasileiros no exterior do que os de estrangeiros no Brasil.

No acumulado de janeiro a março de 2009, a conta de viagens teve saída de US$ 495 milhões. Para Altamir, o dólar mais caro e os efeitos da crise sobre a economia têm diminuído os fluxos relativos a viagens.

Abril

Dados antecipados hoje pelo chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, Altamir Lopes, mostram que o fluxo de Investimento Estrangeiro Direto (IED) no País em abril até esta quarta-feira está positivo em US$ 2 bilhões, e deve fechar o mês superavitário em US$ 2,3 bilhões.

O chefe do Depec informou também que as remessas de lucros e dividendos de multinacionais estrangeiras com sede no Brasil em abril até hoje somam US$ 920 milhões.

 

Além disso, Altamir informou que o saldo da entrada e saída de dólares (fluxo cambial) no Brasil em abril até a sexta-feira passada (dia 17) está positivo em US$ 557 milhões. Segundo ele, esse ingresso foi determinado pela conta comercial.

Em abril, o ingresso de investimentos continua. Segundo Altamir, estrangeiros já realizaram alocação líquida de US$ 650 milhões em ações listadas no Brasil no mês até hoje. No mercado de renda fixa, a entrada líquida acumula US$ 237 milhões no mesmo período.