A indústria de transformação do Estado de São Paulo criou 11.756 vagas em julho. Trata-se do melhor resultado para o mês desde 1999. O dado mostra continuidade da melhora no nível de emprego verificado durante os primeiros seis meses do ano. Os dados foram divulgados ontem pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), e mostram um crescimento de 0,76% no número de vagas em relação a junho.

No acumulado do primeiro semestre, a indústria havia criado 30.091 novas vagas, o que representou um aumento de 1,97% no nível de emprego. Foi o maior crescimento percentual e em números absolutos da série histórica da Fiesp, iniciada em 1994.

Somado aos números apresentados hoje pela federação, no ano a indústria paulista já acumula criação de 41.847 novas vagas. Só no mês de junho passado, foram abertos 12.124 novos postos de trabalho, o que representou um crescimento de 0,79% em relação a maio.

Em todo o primeiro semestre, apenas em abril os dados de emprego foram negativos na indústria, com o fechamento de 1.224 postos de trabalho, devido às eliminações das vagas temporárias para a produção da Páscoa e em razão do fim do verão.

Em 2003, a indústria paulista eliminou 1.351 vagas, uma leve queda de 0,08% em relação ao total de empregados na indústria em 2002.

A última vez que o setor fechou o ano com saldo positivo entre contratações e demissões foi em 2000. Naquele ano, foram abertas 27.416 novas vagas, uma expansão de 1,71% em relação a 1999 – ano da mudança cambial no país.

70 mil

A Fiesp elevou para 4% sua estimativa de aumento do nível de emprego da indústria de transformação em 2004. Essa expansão, se confirmada, representará a geração de cerca de 70 mil novos postos de trabalho neste ano.

A projeção anterior era de um crescimento de até 3,5% ou a abertura de aproximadamente 60 mil novos postos.