As vendas da indústria do Paraná registraram crescimento de 8,82% durante o ano de 2008 e, surpreendendo o próprio setor, foi positivo o desempenho também em dezembro (2,38%), mês que registrou o maior impacto da crise mundial.

Os dados foram divulgados ontem pelo Departamento Econômico da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), observando que o ano passado se tornou o de maior faturamento da série histórica pesquisada pela entidade, graças aos resultados obtidos de janeiro a setembro.

Segundo o coordenador do Departamento Econômico da Fiep, Maurílio Schimitt, “historicamente, a partir de novembro há declínio de negócios, que se estende até o mês de março do ano seguinte”.

O último mês de 2008, entretanto, apresentou aumento sobre a base deprimida de novembro, que, por causa  das consequências da crise financeira internacional, apresentou recuo de 13,26% no faturamento, em movimento similar ao ocorrido em 2001, quando do episódio das torres gêmeas nos EUA.

Os principais responsáveis pelo desempenho de dezembro foram a indústria automobilística, que registrou um expressivo aumento de 59,53% devido a promoções de vendas e à redução do IPI, e o gênero de edição e impressão, que cresceu 11,12% no mês, graças ao aumento sazonal da venda de material didático.

Aliados a eles, um dos três gêneros de maior participação relativa na indústria paranaense, produtos alimentícios e bebidas, oscilou positivamente em 0,19%, garantindo a performance do mês. As exportações também ajudaram na conquista do resultado, crescendo 4,48% em dezembro.

A boa performance da indústria automotiva, de todo modo, está vinculada à venda de estoque das empresas, visto que, na análise de outros indicadores, o setor continua apresentando queda acentuada na atividade industrial: o volume de compras de insumos pelo setor descresceu 59,48% em dezembro na comparação com novembro e as horas trabalhadas na produção diminuíram 46,42% no mesmo período.

“Este é um indicativo de que, apesar da crise afetar significativamente o setor automotivo, certas medidas tomadas pelo governo podem abrandar as perdas da indústria”, diz Schmitt.

O desempenho positivo das vendas industriais registrado em 2008 deve-se especialmente às boas safras agrícolas do Paraná e ao crescimento da economia nacional e internacional.

Esta performance, no entanto, dificilmente será repetida em 2009, dadas as condições climáticas que devem afetar o agronegócio e a redução do crescimento das economias, provocada pela crise. A previsão do Departamento de Economia Rural do Paraná (Deral), apontam queda na produção da primeira safra do milho (-38%) e de soja (-16%).

Emprego e salário

O nível de emprego caiu em dezembro de 2008 em relação ao mês anterior. O emprego diretamente ligado à produção foi reduzido em 2,82% na comparação com novembro. O resultado é sazonal, mas foi mais acentuado na comparação com dezembro de 2007, quando a queda foi de 0,14% no emprego na produção.

Ainda assim, no acumulado do ano, o nível de pessoal empregado na produção cresceu 5,56% em relação ao ano anterior. A massa salarial líquida apresentou aumento de 15,40% em dezembro, devido especialmente a pagamentos de 13.º salário e abonos e distribuição de resultados.