São Paulo (AE) – O índice de cheques devolvidos no País apresentou alta de 30,3% em agosto, na comparação com o mesmo período de 2004, conforme levantamento divulgado ontem pela Telecheque. Em relação a julho de 2005, houve aumento de 9,2%. O estudo da companhia de análise e concessão de crédito, que mede a inadimplência com cheques por meio do volume financeiro, mostrou que o indicador foi de 2,94% no mês passado, ante 2,69% em julho de 2005 e 2,25% em agosto do ano passado.

De acordo com a Telecheque, o índice está bem acima dos indicadores do ano passado, pois o endividamento do consumidor, os juros altos e a grande oferta de crédito dificultam o cumprimento dos compromissos financeiros.

O levantamento constatou também que o índice de cheques roubados foi de 0,74%, resultado 7,7% acima do mês anterior e 21,3% maior que o do mesmo mês do ano passado. As transações para pagamento à vista representaram 30,9% do total, com alta de 1,3% em comparação com julho, e queda de 4,2% frente a agosto de 2004.

Ainda segundo o estudo, as transações pré-datadas representaram 69,1% do total, o que significou baixa de 0,6%, em relação ao mês anterior e alta de 2% em comparação com mesmo período do ano passado. O valor médio dos cheques transacionados no varejo em agosto foi de R$ 126,80, com crescimento de 11,4% frente à média registrada em agosto de 2004 (R$ 113,90) e de 2,6% em relação à média de julho de 2005 (R$ 123,70).

Na pesquisa por estado, a Telecheque apontou que o menor índice de cheques devolvidos foi verificado no Rio Grande do Sul (2,11%), seguido por Maranhão (2,38%), Alagoas (2,47%), Sergipe (2,49%) e Goiás (2,55%).

Os piores desempenhos ficaram por conta de Pernambuco (4,59%), Rio Grande de Norte (4,36%) e Paraíba (3,70%). Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais apresentaram índice de inadimplência com cheques de 3,11%, 2,80% e 2,87%, respectivamente.