A Campanha Paraná: 10 anos sem Febre Aftosa, coordenada pela Secretaria da Agricultura, terminou ontem em todo o Estado com a realização do último Fórum Regional do Conselho Estadual de Sanidade Agropecuária (Conesa), no Canal da Música, em Curitiba. Segundo cálculos parciais da secretaria, mais de 90 por cento dos animais foram vacinados, com comprovação.

Os números finais da imunização dos mais de dez milhões de cabeças de gado serão confirmados até o dia 30 de maio, quando termina o prazo para que os produtores apresentem a documentação de confirmação da vacinação. Mas a expectativa do governo é que sejam imunizados 100% do rebanho paranaense.

O vice-governador e secretário da Agricultura, Orlando Pessuti, disse na solenidade que a conquista de dez anos sem focos da doença no Paraná é fruto da conscientização da classe produtora, do avanço tecnológico na produção de melhores vacinas e do trabalho intenso dos técnicos que nesses anos vêm se dedicando aos cuidados sanitários tanto animal quanto vegetal.

Segundo Pessuti, a ausência de febre aftosa permitiu que, em maio de 2000, o Paraná fosse internacionalmente reconhecido pela OIE (Organização Internacional de Epizootias – Saúde Animal) como área livre de aftosa, com vacinação. ?É importante relembrarmos essa luta para valorizarmos o período atual e, principalmente, refletirmos sobre a importância de não sermos novamente acometidos pela doença?, destacou Pessuti.

?Tão importante quanto ser área livre de febre aftosa, é mantermos nosso rebanho livre para sempre?, alertou Orlando Pessuti. ?Vamos manter uma vigilância sanitária permanente, com atendimento emergencial a qualquer suspeita, e ter rigoroso controle no trânsito de animais, mesmo dentro de seus municípios?, afirmou.

O secretário adjunto da Agricultura e Política Rural de Santa Catarina, Renato Broetto, reforçou a posição na defesa da rigorosa vigilância sanitária tanto interestadual quanto internacional.