Não é possível prever o impacto da queda da nota de risco dos Estados Unidos no preço do petróleo, disse esta segunda-feira (8), em São Paulo, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli. Na sexta-feira (5), agência de classificação de risco Standard & Poor”s rebaixou a nota (rating) AAA dos Estados Unidos para AA+.

Segundo ele, o preço da gasolina no mercado interno depende algumas variáveis ainda incertas. “Depende do preço do petróleo lá fora e da taxa de câmbio. Tudo isso está muito incerto neste momento”. Entretanto, Gabrielli não descartou que o preço da gasolina possa ser reajustado em algum momento.

O presidente da estatal, que participou de um debate sobre o pré-sal na capital paulista, rechaçou qualquer possibilidade de rever o plano de investimentos da Petrobras por causa do cenário de incertezas. “Acabamos de lançar o plano. Rever seria uma irresponsabilidade nossa”.