A produção industrial cresceu em 8 das 14 regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na passagem de junho para julho, na série com ajuste sazonal. Os dados, divulgados hoje pelo instituto, mostram que o Amazonas registrou a maior expansão no período, de 4,3%, contra uma queda de 3,6% apurada no mês anterior. Houve expansão ainda no Paraná (3,8%), no Pará (3,7%), no Rio Grande do Sul (2,7%), no Rio de Janeiro (2,4%), em Goiás (1,4%) e em São Paulo (1,3%). Todos ficaram com crescimento acima da média nacional, que foi de 0,5% em julho.

Segundo o IBGE, Minas Gerais praticamente repetiu o patamar de junho, ao crescer 0,1%. A pesquisa mostrou ainda que, na passagem de junho para julho, houve queda na produção em Santa Catarina (-0,7%), Pernambuco (-0,7%), Região Nordeste (-1,8%), Ceará (-2%), Espírito Santo (-2%) e Bahia (-6,8%).

Em comparação com julho do ano passado, o IBGE apurou queda na produção industrial em 7 dos 14 locais pesquisados. O instituto lembra que julho de 2011 teve um dia útil a menos do que julho do ano passado.

A redução mais intensa foi registrada no Ceará (-19,2%). Em seguida vieram Santa Catarina (-8,0%), Região Nordeste (-7,2%), Bahia (-4,4%), Rio de Janeiro (-2,2%) e Rio Grande do Sul (-2,0%). Minas Gerais também teve resultado negativo (-0,2%). Por outro lado, Goiás (14,3%), Pará (9,6%), Amazonas (5,8%), Paraná (5,7%) e Espírito Santo (3,1%) tiveram as expansões mais elevadas, enquanto Pernambuco (1,4%) e São Paulo (1,1%) apontaram avanços menos intensos.