A taxa de desemprego provavelmente vai terminar este ano abaixo de 10%, prevê o gerente da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Cimar Azeredo. A taxa média nos primeiros sete meses deste ano é de 9 8%. De acordo com Azeredo, historicamente o mercado de trabalho melhora em meados do ano, o que ainda não foi captado pela PME este ano, e o segundo semestre é melhor do que o primeiro.

"Os dados de julho não empolgaram. A expectativa era de que o desemprego caísse de forma significativa em julho e isso não aconteceu. Também tínhamos a expectativa de que o rendimento médio aumentasse e ele caiu", afirmou Cimar. Ele se referia às comparações com junho, que mostraram leve redução do desemprego de 9,7% para 9,5% da população economicamente ativa, o que o IBGE considera como estabilidade, e queda de 1,2% no rendimento médio real dos ocupados.

Cimar continua com a expectativa de que a taxa de desemprego e o rendimento médio real melhorem em agosto. Segundo ele, a série histórica da pesquisa, mostra melhora maior a partir de junho e julho em quase todos os anos. A queda no rendimento médio real se deu principalmente na informalidade e nos setores de comércio indústria e outros serviços.