A inflação de serviços registrou leve arrefecimento no último ano. A taxa passou de 8,75% em 2013 para 8,32% em 2014, dentro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado nesta sexta-feira, 09, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Tanto em 2013 quanto em 2014 os serviços continuaram pressionando bastante a taxa (do IPCA), ficaram mais ou menos no mesmo nível”, avaliou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE.

O resultado ficou acima do IPCA geral, de 6,41%, registrado no ano passado. A inflação de serviços de dezembro também ficou maior do que a inflação geral: os serviços aumentaram 1,20%, contra um IPCA de 0,78%. “Isso foi passagens aéreas. É uma alta forte, mas pontual, como característica da volatilidade das passagens aéreas”, justificou Eulina.

As passagens aéreas tiveram aumento de 42,53% em dezembro. Mas também houve pressão de alimentação fora de casa, manicure e cabeleireiro, serviços que registram maior demanda nessa época do ano, completou a pesquisadora do IBGE.

Monitorados

Já a inflação de serviços monitorados disparou em 2014. A taxa passou de 1,55% em 2013 para 5,32% no último ano, dentro do IPCA. “A diferença foi bem grande. Enquanto em 2013 mais uma vez os monitorados ajudaram muito a não expandir a taxa (do IPCA), em 2014 eles já avançaram mais”, apontou Eulina.

Apesar da aceleração, os monitorados permanecem abaixo da inflação geral. A queda de 2,69% na taxa de água e esgoto ajudou a impedir um aumento maior no ano. Em São Paulo, que enfrenta os problemas da estiagem prolongada, um programa de bônus para consumidores que reduzem o consumo de água fez a conta despencar 27,34%, neutralizando os aumentos verificados em outras 11 regiões do País.

Em dezembro, a inflação de monitorados foi de 0,43%, contra uma taxa de 0,78% do IPCA.

Combustíveis

Os preços dos combustíveis subiram 2,94% em 2014, segundo IPCA. O litro da gasolina aumentou 2,89% nas bombas, como resultado do reajuste de 3,00% ocorrido nas refinarias em 7 de novembro. O etanol terminou o ano com elevação de 1,97%.

O grupo Transportes registrou ligeira aceleração de 2013 para 2014, passando de 3,29% para 3,75% no período.

No último ano, os preços dos automóveis novos subiram 4,62%, mas os usados ficaram 2,10% mais baratos. Já o serviço de conserto de automóvel teve elevação de 8,59%.

Os ônibus urbanos ficaram 3,85% mais caros, devido aos reajustes praticados em apenas sete das 13 regiões pesquisadas: Campo Grande, Rio de Janeiro, Belém, Belo Horizonte; Porto Alegre; Curitiba e Goiânia.