As eleições de outubro derrubaram a receita bruta nominal dos serviços audiovisuais e de promoção de eventos em outubro, ante igual mês de 2013, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta terça-feira, 16. Dentro dos serviços prestados às famílias, o ramo de alojamento e alimentação cresceu 8,5%. No entanto, a parte de outros serviços prestados às famílias recuou 3,5%, puxada pelo subsetor de promoção de eventos culturais, que abrangem atividades artísticas, criativas e de espetáculos.

“Em outubro do ano passado, ocorreram muitos eventos culturais. Neste mês (outubro de 2014), não ocorreu nada. Como foi um mês de eleição, não houve eventos culturais”, explicou Roberto Saldanha, técnico da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

No setor de serviços de informação e comunicação, houve crescimento de 2,7% em tecnologia da informação e comunicação, que abrange telecomunicação e informática. Mas os serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias tiveram retração de 1,6%.

“(A queda) Foi principalmente na TV aberta e edição associada à impressão, que respondem por 75% dos serviços audiovisuais. No mês da eleição, tivemos horário gratuito. Vocês imaginam um minuto de TV quanto custa? Milhões de reais. Para qualquer TV, uma hora de serviço gratuito é uma hora que as empresas deixam de arrecadar. Era duas horas por dia, e no horário nobre”, justificou, Saldanha.

Outro reflexo das eleições foi a redução do fluxo de passageiros corporativos em outubro, que prejudicou o resultado do transporte aéreo no mês. Houve alta de apenas 0,3% em relação a outubro do ano passado.