O setor hoteleiro de Curitiba espera encerrar 2009 com taxas de ocupação no mínimo semelhantes às de 2008. Se a meta for alcançada, os índices ficarão entre 52% e 55%, médias que os empresários consideram boa, considerando-se que a crise econômica mundial afetou o segmento por mais meses, este ano, do que no ano passado, e o fato da gripe suína ter causado o cancelamento de pelo menos um quarto dos eventos programados para agosto.

“Se terminarmos 2009 com os mesmos índices de 2008 já será muito bom”, analisa o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Curitiba (Sindotel), Marco Antônio Fatuch.

Segundo ele, a ocupação dos leitos caiu muito no último trimestre do ano passado, mas não o suficiente para que o ano fechasse com índices ruins. Este ano, ele conta que a melhora só começou a acontecer, de forma tímida, a partir do segundo trimestre.

No entanto, o início da recuperação dos hotéis de Curitiba foi interrompido por outro problema inesperado: a gripe suína. “Agosto foi o pior mês do ano para o setor”, conclui Fatuch.

Ele afirma que os cancelamentos dos encontros, congressos e outros eventos, no mês passado, foram generalizados, com índices que ultrapassaram 25% do que estava programado. O impacto, para ele, foi grande, já que eventos como esses, em regra, são planejados com mais de um ano de antecedência.

Para Fatuch, a crise interrompeu um ritmo forte de crescimento do setor em Curitiba. “Se não acontecesse, fecharíamos o ano passado com índices de 70%”, calcula.

Mesmo assim, a taxa ainda foi considerada boa pelos empresários, que agora estão na expectativa da volta de um tipo de turismo que deixou, há mais de 10 anos, de ser o foco da capital: as famílias, que durante mais de 30 anos foram a principal fonte de ocupação dos quartos nos meses de férias escolares.

Eventos

Em meio a esses desafios, dois importantes eventos estão sendo realizados, esta semana, na capital. Um é a reunião do Conselho de Representantes da Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (FNHRBS), no Hotel Bourbon, onde estão sendo discutidas as metas dos setores de hospedagem e gastronomia no País. Outro é a comemoração, hoje, dos 60 anos do Sindotel.

Para Fatuch, apesar dos recentes problemas, há muitos motivos para o setor comemorar. Um deles é a Copa de 2014, que foi um dos motivos para a criação, pela entidade, do Hotel Escola de Curitiba.

A escola terá 16 cursos profissionalizantes nas áreas de hotelaria e gastronomia. A intenção, segundo Fatuch, é de inaugurar o empreendimento até 2012, a tempo de preparar profissionais para a Copa das Confederações.