A greve dos bancários entrou hoje em seu 14.º dia. Ontem, o dia teve aumento nas adesões e redução cada vez maior nos serviços prestados. Houve agências em que o limite de saques foi reduzido para que não faltassem cédulas nos caixas automáticos.

Além disso, em alguns estabelecimentos, depósitos também não foram recolhidos. Ontem, ainda, no início da noite, foi realizada uma reunião em São Paulo entre representantes dos funcionários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), que não havia terminado até o fechamento desta edição. Mas a continuidade ou fim da greve depende de assembleias a serem feitas em todo o País.

Em Curitiba, as agências afetadas pela greve passaram de 279 para 285, ontem. Em compensação, um dos sete centros administrativos que estavam parados da Caixa Econômica Federal, no caso voltou a funcionar.

O Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região estima que 13,7 mil trabalhadores estejam de braços cruzados. Itaú (68 agências), Banco do Brasil (67) e Caixa (51) são os bancos com o maior número de agências sem atendimento.

Já no Paraná, são pelo menos 573 agências fechadas, com cerca de 17,6 mil bancários em greve. Mas o número leva em conta apenas os 10 sindicatos regionais ligados à Federação dos Trabalhadores no Ramo Financeiro do Paraná (Fetec-PR).

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários do Paraná (Feeb-PR), que engloba outros 10 sindicatos de bancários, não detalha os números de agências fechadas e funcionários parados.