Uma greve atingiu o setor de manutenção da TAM Linhas Aéreas, em São Carlos, no interior paulista, nesta sexta-feira, 12. De acordo com o Sindicato dos Aeroviários do Estado de São Paulo (Saesp), 600 trabalhadores cruzaram os braços e fecharam a entrada da empresa pela manhã. Eles reivindicam reajuste salarial de 9%, além de outros benefícios.

Os trabalhadores cercaram o portão durante quatro horas, mas a manifestação foi pacífica e não houve intervenção da Polícia Militar. A empresa informou que a unidade, na Rodovia SP-318, é de manutenção programada e que a paralisação não afeta as operações de voo.

Os trabalhadores ficaram de braços cruzados das 6 horas às 10 horas, ocasionando um longo congestionamento de veículos na via de acesso à companhia. Sindicalistas da capital paulista estiveram na cidade e durante o movimento conversaram com os funcionários.

Negociação

Reginaldo Alves de Souza, presidente do sindicato, diz que os funcionários também lutam pela taxa de insalubridade e periculosidade. Argumenta ainda ter ouvido reclamações de assédio moral dentro da empresa, principalmente por parte das mulheres. A data-base da categoria é em 1º de dezembro.

O jornal O Estado de S. Paulo entrou em contato com a TAM, que não comentou as reivindicações e denúncias. Informou apenas que “reconhece o direito de manifestação dos funcionários”, acrescentando também “que segue em negociação com o sindicato”.