A greve na montadora Volkswagen-Audi, instalada em São José dos Pinhais, deve continuar por tempo indeterminado. É o que prometem os 2.500 funcionários, que estão parados desde a tarde de quarta-feira. Anteontem, houve tentativa de negociação na Delegacia Regional do Trabalho (DRT). A discussão se prolongou por mais de quatro horas e não houve acordo.

Assembléia realizada ontem pela manhã decidiu pela manutenção da greve. Nova assembléia deliberativa está marcada para segunda-feira, às 8h.

Ontem, a direção da montadora não falou a respeito. Em nota divulgada na última quinta-feira, a empresa convocou os funcionários a retornar ao trabalho e informou que “caso não consiga normalizar a produção nessa fábrica, a Volks-Audi lançará mão de medidas cabíveis para resguardar seus direitos”.

Na semana passada, a categoria ficou em greve durante quatro dias e meio. O impasse só foi resolvido no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que concedeu aos funcionários a maior parte das reivindicações – como fim do banco de horas, redução da jornada de trabalho, PLR no valor de R$ 2.950,00 e pagamento dos dias parados, cassadas pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) que acatou recurso da montadora e suspendeu a redução da jornada de trabalho e o pagamento dos dias parados.