O governo garantiu a participação de dois consórcios no leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte, marcado para a próxima terça-feira. Para assegurar uma disputa pela maior obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o Palácio do Planalto teve que acionar os fundos de pensão das estatais e incluir, em cada um dos grupos formados, empresas do sistema Eletrobrás.

Segundo Valter Cardeal, diretor de Planejamento e Engenharia da Eletrobrás, o nome dos integrantes dos consórcios só poderão ser divulgados depois que for cassada, como espera o governo, a liminar emitida pela Justiça Federal do Pará suspendendo o leilão.