O Governo Central (Tesouro, Previdência e Banco Central) registrou em maio um superávit primário de R$ 4,822 bilhões, um terço do de abril, que ficou em R$ 14,417 bilhões, mas superior ao de maio de 2006 (R$ 2,943 bilhões). No resultado do mês passado, o Tesouro Nacional contribuiu com R$ 8,210 bilhões, a Previdência teve um déficit de R$ 3,349 bilhões e o Banco Central, um resultado negativo de R$ 38,7 milhões.

De janeiro a maio, o Governo Central apresentou superávit de R$ 38,619 bilhões, segundo dados divulgados hoje pelo Tesouro Nacional. O volume é equivalente a 3,86% do PIB do período. Nos cinco primeiros meses do ano passado, o Governo Central teve superávit de R$ 32,525 bilhões, que correspondiam, à época, a 3 57% do PIB.

Receita

As receitas totais do Governo Central de janeiro a maio deste ano cresceram 13,51% ante igual período do ano passado, atingindo R$ 246,109 bilhões. As transferências para Estados e municípios subiram 12,87%, alcançando R$ 42,669 bilhões na mesma comparação. Com isso, a receita líquida do Governo Central ficou em R$ 203,440 bilhões, com um crescimento 13,64% em relação aos cinco primeiros meses de 2006.

As despesas, por outro lado, continuam aumentando menos do que as receitas. Até maio, a alta foi de 12,51% em relação ao mesmo período de 2006, totalizando R$ 164,821 bilhões. As despesas com benefícios subiram 12,89%, enquanto os gastos com pessoal avançaram 12,20%. Já os gastos de custeio e capital, onde se encaixam os investimentos, subiram 12,26% no período.