A siderúrgica Gerdau demitiu 300 funcionários na Gerdau Aços Especiais, que fica em Charqueadas, a 56 quilômetros de Porto Alegre (RS), no primeiro semestre, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos da região. As demissões também atingiram funcionários que atuavam para empresas prestadoras de serviços na unidade, especialmente de manutenção, após o fim dos contratos, disse o presidente do sindicato, Jorge Luiz Silveira de Carvalho. Com o corte, a unidade ficou com cerca de 800 empregados, conforme dados dos metalúrgicos.

A Gerdau não confirmou o número de demissões. A empresa observou que o corte de pessoal foi adotado após medidas de ajuste que incluíram antecipação de férias, paradas de manutenção e tentativa de suspensão temporária de contratos de trabalho. O objetivo foi reduzir custos e adaptar a produção à queda de demanda.

O dirigente sindical afirmou que os funcionários convivem com incertezas geradas por boatos de venda ou desativação da unidade sem que a Gerdau emita posição oficial sobre eles. A Gerdau afirmou que o boato é “improcedente”. Segundo o sindicato, a Gerdau descumpriu acordo que prevê limite de 1% de demissões ao mês, em relação ao número total de empregados.

A Siderurgica del Pacífico (Sidelpa), empresa da Gerdau na Colômbia que também atua no segmento de aços especiais, será fechada, após decisão de assembleia de acionistas em 23 de junho. A Gerdau explicou que o “mercado colombiano de aços especiais reduziu-se de forma importante e a oferta de produtos estrangeiros a baixos preços aumentou”. O grupo acrescentou que ofereceu aos funcionários um plano de demissões com benefícios que excedem os previstos na legislação e na convenção coletiva.

No primeiro trimestre de 2009, as operações de aços especiais da Gerdau, que incluem unidades na América do Norte, América Latina e Europa, produziram 327 mil toneladas de laminados, com queda de 41,1% em comparação ao mesmo período do ano passado.