O ministro da Previdência, Carlos Eduardo Gabas, garantiu hoje que qualquer mudança a ser realizada no Regime de Previdência Social não afetará as pessoas que estão próximas do período de aposentadoria. “Quem for se aposentar em cinco ou dez anos não sentirá qualquer mudança”, disse a jornalistas, após participar do seminário “Fundamentos de Registros de Benefícios Previdenciários a Empregados”, realizado em Brasília. O ministro, que é contrário a uma grande reforma da Previdência, por temer uma corrida aos pedidos de aposentadoria, avalia que há necessidade de ajustes pontuais no setor.

Indagado sobre as recentes votações em países da Europa sobre a ampliação da idade mínima, o ministro salientou que o Regime Geral de Previdência Social no Brasil não conta com idade mínima para aposentadoria. “Esta é uma discussão a se fazer sem paixão. É uma questão de sustentabilidade, mas não há intenção de se debater o tema para quem já está no regime. Isso é para os futuros trabalhadores”, reforçou.

Segundo ele, a aposentadoria mais tardia é uma questão de “justiça previdenciária”, pois a população está envelhecendo. “Minhas filhas vão viver mais de 100 anos e se elas se aposentarem aos 50, vão fazer o que neste período, que ainda é de grande produtividade?”, questionou. Mais uma vez, o ministro salientou que este é um assunto que caberá apenas ao próximo governo. Gabas já anunciou que apresentará ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva uma proposta de alterações no setor para ser encaminhada ao seu sucessor.