Aliocha Maurício / GPP
Aliocha Maurício / GPP

Consumidor não esperava
mais o retorno do frio.

As peças de inverno, como ponchos, sobretudos e jaquetas, que estavam esquecidas nos depósitos, voltaram a ser requisitadas pelos clientes nas lojas de Curitiba. Desde que a temperatura caiu, na última segunda-feira, a coleção primavera-verão está sendo deixada de lado e cedendo espaço para as roupas mais pesadas. Em muitos estabelecimentos, faltam opções como tamanhos e cores para atender a grande demanda.

?Para nós está bem complicado. Há muita gente procurando peças de inverno, mas faltam cores e numerações?, afirmou a gerente da loja de confecções femininas Savina, no centro, Sônia Maria da Silva. Segundo ela, como os meses de julho e agosto foram marcados por dias com temperatura elevada, muitos lojistas anteciparam as promoções de inverno e se apressaram em colocar à venda a coleção primavera-verão. ?Hoje, entre 70% e 80% das peças à venda na loja são de verão. As de inverno são pouquíssimas?, avaliou. A expectativa, de acordo com Sônia, é que a temperatura volte a subir logo para dar passagem à venda de peças mais leves.

Em outra loja, a Squalle, o jeito foi pedir de volta as peças pesadas que haviam sido retiradas das prateleiras em meados de agosto. ?O escritório vai mandar de volta as roupas mais pesadas ainda hoje (ontem)?, comentou a gerente Luci Pedroso. Segundo ela, a procura por roupas de frio cresceu com a queda da temperatura. ?Na segunda-feira, só vendemos roupas de inverno, principalmente moletom, e hoje (ontem) também?, apontou. Assim como a outra gerente, Luci também torce para que os dias de frio sejam breves. ?A expectativa é que esquente e a gente trabalhe com os produtos de primavera-verão.?

Dividir a vitrine entre roupas de inverno e a coleção nova de primavera-verão foi a solução encontrada pela gerente da Perfil Moda Fashion, Giovana Zonare, para driblar o frio inesperado e atender a todos os gostos. Assim, blusinhas de tecido leve estão lado a lado com casacos pesados. ?Nossa vitrine era só de roupas para o verão. Mas desde hoje (ontem), está assim?, comentou Giovana. Segundo ela, nos últimos dois dias as vendas se concentraram nas peças pesadas. Houve procura até por sobretudos. ?Como a gente não chegou a recolher as roupas de inverno, temos opções de modelos, tamanhos e cores?, garantiu. Segundo Giovana, a vitrine vai continuar dividida até que a temperatura volte a subir.

Preço bom

A dona-de-casa Geni de Matos, de São Paulo, aproveitou a tarde de ontem para ir às compras. À passeio em Curitiba desde domingo, ela contou que não esperava encontrar um frio tão rigoroso. ?Já comprei calça, blusa, casaco. Os preços estão bons?, comentou. Com a maioria das peças de inverno em promoção, Geni acredita que esta é a hora de renovar o guarda-roupa.

A auxiliar-administrativa Cleuza Marineli também aproveitou para ir às compras. Mas ao contrário da maioria dos consumidores, estava à procura de peças mais leves. Grávida de seis meses, Cleuza disse que, no caso dela, não vale a pena comprar mais roupas de frio.