Os economistas consultados na pesquisa semanal Focus, do Banco Central, projetam manutenção dos juros na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de março, na mediana das estimativas. Ninguém espera corte da taxa básica. Entre os que projetam alta, a maior previsão é de uma Selic de 7,75% ao ano, o que representa alta de 0,50 ponto porcentual. A mediana das estimativas mostra ainda manutenção dos juros em 7,25% ao ano até o fim de 2013.

Para janeiro de 2014, a previsão segue em 7,50% ao ano, data que marcaria o início do novo ciclo de aperto monetário. Para fevereiro do próximo ano, passou de 7,63% para 7,75% ao ano. Para março, a previsão segue em 7,75% ao ano. Para abril, segue em 8,00%.

A pesquisa Focus mostra também estabilidade nas previsões do mercado para a inflação na média das estimativas para 2013. De acordo com o levantamento, a média das apostas para o IPCA em 2013 segue em 5,74%. Para 2014, a média passou de 5,52% para 5,55%. Para 2015, de 5,21% para 5,22%. Para 2016, de 5,07% para 5,08. Para 2017, de 4,99% para 5,02%.

Déficit

O mercado financeiro reduziu a previsão de déficit em transações correntes em 2013 e 2014. A mediana das expectativas de saldo negativo na conta corrente este ano caiu de US$ 64 bilhões para US$ 62,65 bilhões. Há um mês, estava em US$ 63 bilhões. Para 2014, a previsão de déficit nas contas externas caiu de US$ 69,37 bilhões para US$ 68,73 bilhões.

Os economistas reduziram ainda a estimativa de superávit comercial em 2013 de US$ 15,50 bilhões para US$ 15,20 bilhões. Quatro semanas antes, estava em US$ 15,43 bilhões. Para 2014, a projeção passou de US$ 16,00 bilhões para US$ 15,60 bilhões. Há quatro semanas, essa estimativa estava em US$ 15,00 bilhões.

As estimativas para o ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED), aquele voltado ao setor produtivo, foi mantida em US$ 60,00 bilhões para 2013 e para 2014, mesmos valores de quatro semanas atrás.