O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta recuo de 11% do volume do comércio mundial de bens e serviços este ano, de acordo com o relatório Perspectiva Econômica Mundial (WEO, na sigla em inglês). O número denota uma piora significativa em relação ao declínio de 2,8% previsto na divulgação anterior do documento, feita em janeiro. No próximo ano, o FMI prevê que o volume do comércio mundial crescerá apenas 0,6%, em comparação à previsão de crescimento de 3,2% na divulgação anterior do WEO.

O conselheiro econômico do FMI e diretor do Departamento de Pesquisa, Olivier Blanchard, avalia que a diminuição na demanda está levando à diminuição em produção, em exportação e aumentos no desemprego em escala mundial. E o Fundo reitera que deveria ser evitado o protecionismo financeiro e comercial e cita mais uma vez que a rápida conclusão da Rodada Doha “revitalizaria os prospectos para o crescimento global”.

Com o declínio na atividade econômica, o FMI calcula que as importações feitas pelas economias avançadas vão recuar 12,1% este ano. No próximo ano, a expectativa do Fundo é de leve avanço de 0,4%. As importações das economias emergentes vão cair 8,8% neste ano, prevê o FMI. Para 2010, o número estimado é de 0,6%.

Para as exportações, a projeção é de queda de 13,5% para as economias avançadas neste ano e crescimento de 0,5% no próximo. Para os emergentes, as exportações devem recuar 6,4% em 2009 e subir 1,2% em 2010.

Muitos emergentes viram-se afetados pela queda pela demanda por commodities, acrescenta o FMI. Desta forma, continua o Fundo, os preços das matérias-primas devem permanecer, durante este ano, próximos aos níveis que se encontram atualmente. Um avanço apenas moderado é esperado para 2010.

Para o FMI, é improvável que os preços tenham retomada rápida para os níveis registrados em 2007 ou no primeiro semestre de 2008. O petróleo, em particular, pode registrar maior retomada dos preços no médio prazo, mas é improvável rápida recuperação para preços vistos no primeiro semestre de 2008.