O fluxo total de veículos pelas estradas pedagiadas do País recuou 0,2% em setembro na comparativamente a agosto, já descontados os efeitos sazonais, informaram nesta sexta-feira, 9, a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) e Tendências Consultoria Integrada. Na mesma base de comparação, as passagens de veículos leves pelas praças de pedágio do País cresceram 0,2% e o de pesados recuou 1,1%.

Na comparação de setembro de 2015 com setembro de 2014, o Índice ABCR caiu 1,4%, com queda de 6,6% no fluxo de veículos pesados e de 0,5% no movimento de veículos leves.

“Continuamos a ver no Índice ABCR o reflexo dos indicadores de indústria, comércio, renda, confiança dos consumidores e massa salarial. Isso é visível no indicador de comparação mensal, mas fica ainda mais claro nos dados do indicador na comparação ano a ano, que consolidam uma tendência de queda, especialmente no fluxo de veículos pesados”, analisa Rafael Bacciotti, economista da Tendências Consultoria.

Na comparação do acumulado do ano (janeiro a setembro de 2015, contra janeiro a setembro de 2014), o índice registrou queda de 1,1%, com declínio de 5,7% em pesados e alta de 0,5% em leves. Nos últimos doze meses, o indicador caiu 0,4%, com decréscimo de 4,8% no tráfego de veículos pesados e aumento de 1,1% no de veículos leves.

“Como já havíamos apontado no mês anterior podemos perceber que os dados de veículos leves começaram a captar a tendência (média móvel) de queda depois dos pesados, que já registram inversão da curva há mais tempo”, observou Bacciotti. Para ele, o fluxo de leves ainda se sustenta no terreno positivo, embora haja desaceleração quando se observa a variação acumulada nos últimos doze meses.

“Esse movimento acaba refletindo o processo em curso de enfraquecimento do mercado de trabalho, com elevação da taxa de desemprego e diminuição da massa de salários”, explica Bacciotti.