Os volumes do comércio mundial deverão recuar 9% em 2009, no maior declínio desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), aponta o mais recente relatório de projeções do fluxo do comércio global da Organização Mundial do Comércio (OMC). Contudo, a OMC também avalia que os dados do mês passado de parceiros comerciais muito importantes da Ásia, como a China, sugerem que o fim da pior fase da queda no comércio exterior pode estar próximo.

“O colapso na demanda global, provocado pelo maior declínio econômico em décadas, reduzirá as exportações e importações asperamente em até 9% em termos de volume em 2009, a maior contração desse tipo desde a Segunda Guerra Mundial”, diz a OMC.

“Muitos milhares de empregos relacionados ao emprego estão sendo perdidos”, disse Pascal Lamy, diretor-geral da OMC, em um comunicado. Ele exortou os líderes do G-20 (Grupo dos 20, que reúne grandes economias industrializadas e emergentes), que irão se reunir em Londres no dia 2 de abril, a “se unirem para avançar das promessas para a ação e se absterem de qualquer medida protecionista adicional que possa tornar os esforços de recuperação global menos eficazes”.

As novas projeções são baseadas em dados de comércio exterior disponíveis recentemente, que mostram acentuadas quedas nos dois primeiros meses de 2009 e projeções econômicas mais amplas.

Todas as regiões da economia global estão sofrendo uma redução na demanda do consumidor, especialmente para bens importados, de carros a aparelhos de som. Não existe qualquer área “descolada” do mundo que não esteja sendo afetada, diz a OMC. A crise do comércio vai afetar principalmente os países ricos, cujos cidadãos tomam emprestado e compram além de seus recursos. O comércio nos países desenvolvidos cai cair em 10%, comparado com uma queda de 2% a 3% das nações em desenvolvimento.

As notícias podem ficar pior. “Desenvolvimentos adversos adicionais nos mercados financeiros poderão prolongar a crise atual, assim como uma alta no protecionismo”, disse a OMC. “A recuperação pode ser mais lenta do que o esperado se o consumo doméstico não voltar para uma tendência de crescimento mais normal em breve.” Com as menores perspectivas de outro acordo de comércio internacional, a OMC espera constranger seus 153 membros a manter o comércio aberto através do registro e publicação dos excessos de protecionismo em uma lista bimestral. A OMC vai divulgar seu mais recente relatório nesta semana.

Quando a recuperação acontecer, será determinada pela eficácia dos planos de estímulo, que vão somar 3% do total de produção, e reformas do setor bancário, diz a OMC.

2008

Em 2008, o comércio global cresceu 2% para US$ 15,8 trilhões, segundo a OMC. Essa taxa foi menor do que o esperado por causa “do declínio inesperado e muito acentuado na produção global no quarto trimestre de 2008”. A Alemanha manteve seu status de maior exportador do mundo com US$ 1,47 trilhão, comparado com US$ 1,43 da China, que aparece em segundo lugar. Os EUA ocupam a terceira posição de US$ 1,3 trilhão. O Brasil ficou em 22º lugar, uma posição acima do que havia registrado em 2007. As informações são da Dow Jones.