O governador da Flórida, Charlie Crist, disse nesta segunda-feira (5), durante reunião com empresários brasileiros na Federação da Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), que o Estado americano quer ser o portão de entrada do etanol brasileiro nos Estados Unidos.

Segundo Crist, a Florida deseja incrementar a relação de parceria com o Brasil, principalmente na área de distribuição. Cristi afirmou que seu governo é sustentado pela política de redução de tarifas e que vai lutar para eliminar o imposto existente sobre o etanol, que é US$ 0,54 por galão. "A Flórida tem uma delegação tremenda no Congresso, que vai buscar a eliminação desse imposto", disse. Ele ressaltou que apenas em 2007 reduziu impostos no valor total de US$ 37 bilhões, sendo US$ 12 bilhões na semana passada.

No momento, a Flórida não importa etanol do Brasil e consome basicamente produto norte-americano vindo do Meio-Oeste e feito a partir do milho. O presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar (Unica), Marcos Jank, disse que a Flórida possui um excelente potencial para o etanol brasileiro a partir da retirada da tarifa, prevista para 2009. Segundo ele, a Flórida consome mais gasolina do que todo o Brasil, em torno de 32,7 bilhões de litros por ano. "Estamos interessando em parcerias com o setor privado norte-americano", disse Jank.

Combustível

A Flórida ainda não possui uma mistura mandatória de etanol à gasolina, mas a expectativa é de que uma recomendação para a adição de 10% de etanol à gasolina seja feita até outubro de 2008. Segundo Michael Sole, diretor do Departamento de Proteção ao Meio Ambiente da Flórida, sem a obrigatoriedade, o Estado já consome anualmente 900 milhões de litros de etanol em veículos, e possui uma frota de 500 mil veículos flex. O problema é que existem apenas três bombas de abastecimento de etanol em todo o Estado. O governador Crist disse que até o próximo ano outras 25 bombas estarão em operação.