Os produtos importados foram os que mais se beneficiaram do aumento de 1,2% do consumo aparente na indústria nacional em 2011, segundo a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Dessa expansão, os produtos vindos do exterior ficaram com 54,5% enquanto a indústria nacional ficou com 45,5%. Alguns dos setores mais afetados pelas importações foram os de artigo de vestuário e acessórios, calçados e ferro-gusa e ferro-liga.

Em artigos de vestuário e acessórios, o consumo aparente caiu 2,6% em 2011 em relação ao ano anterior. As importações, porém, tiveram alta de 41,4% no mesmo período. Já no setor de calçados, o consumo aparente caiu 9% e as importações subiram 15,6% no mesmo período. No setor de ferro-gusa e ferro-liga, o consumo aparente teve queda de 14,8% enquanto as importações aumentaram 11,3% no período.

De acordo com o diretor titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp, Roberto Giannetti da Fonseca, o crescimento do País não tem beneficiado a indústria nacional e sim a importação. “As importações são as quem estão se beneficiando do crescimento brasileiro”, afirmou, após divulgação dos coeficientes de exportação e importação da indústria.

Por outro lado, outros setores da indústria apresentaram recuo na produção industrial em 2011, mas tiveram aumento nas exportações. É o caso do setor de ferro-gusa e ferro-liga, cuja produção caiu 3%, mas as exportações aumentaram 23,4% em 2011 na comparação com 2010. A mesma situação ocorreu com produtos têxteis, cuja produção teve queda de 14,4% e as exportações aumentaram 11%. De acordo com Giannetti da Fonseca, esses resultados indicam duas possibilidades: ou o consumo interno caiu ou o mercado interno foi abastecido pelas importações.