O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), Paulo Picchetti, revisou nesta quarta-feira a previsão de fechamento do indicador em maio para 0,40%, ante 0,30% projetado anteriormente. De acordo com ele, alguns alimentos apresentaram variação que não era esperada, como foi o caso do tomate, que saiu de queda de 2,84% na segunda quadrissemana do mês para alta de 7,40% na terceira quadrissemana, a banana (-0,16% para 3,24%) e a cebola (de estabilidade para 10,12%).

“A queda do IPC-S na terceira quadrissemana não ocorreu na intensidade prevista por conta de alguns alimentos in natura”, justificou. Mesmo com a revisão para o mês de maio, Picchetti disse que o IPC-S projetado para o final de 2012 não foi alterado e segue em 5,20%.

O coordenador do índice destacou ainda a desaceleração no período verificada nos setores industrial, de comércio e de serviços. Na indústria, o IPC-S passou de 0,40% na semana encerrada no dia 15 para 0,29% na divulgação desta quarta-feira, enquanto no comércio a variação no período foi de 0,33% versus 0,25%, e, em serviços, o índice ficou em 0,65%, ante 0,69% na segunda quadrissemana. Apenas os preços administrados apresentaram uma leve aceleração, ao passar de 1,15% na segunda quadrissemana para 1,16% na terceira.

De acordo com Picchetti, os grupos estão em processo de desaceleração e esse comportamento reforça a tendência de queda da inflação nas próximas semanas. Segundo ele, junho e julho são, normalmente, meses de inflação baixa porque não há previsão de pressões inflacionárias.